Brasil Music Exchange leva 21 empresas para o Midem 2019

A delegação brasileira já está de malas prontas para o Midem 2019. O evento ocorre de 4 a 7 de junho, em Cannes, na França, e conta com a presença de 21 empresas brasileiras que representam diversas características e segmentos da música nacional, incluindo gerentes, produtores, bookers, selos e festivais. A participação é promovida pelo Brasil Music Exchange (BME), projeto que visa fomentar a internacionalização da música brasileira realizado pela Brasil, Música & Artes (BM&A) e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

O gerente de projetos do BME, Leandro Ribeiro, espera que a edição do Midem 2019 repita o sucesso dos anos anteriores, mantendo o país na trajetória ascendente de participação. “Eventos como esse mostram a qualidade e o potencial da música brasileira, não só no mercado, mas também para a imprensa internacional”, ele afirma. Para o sócio da Milk, uma agência de marketing digital que trabalha exclusivamente com artistas da música, Filipe Teixeira, essa é uma excelente oportunidade de construir pontes. Essa é a primeira vez que a empresa vai ao Midem e ele espera entrar em contato com empresas estrangeiras e artistas interessados no mercado brasileiro.

“O Brasil é, ano a ano, um dos mercados de música que mais crescem no mundo. Há um movimento crescente para a internacionalização do mercado – por artistas que projetam suas carreiras no exterior ou pela abertura do mercado interno a gêneros musicais que não eram tradicionalmente bem-sucedidos no país e que finalmente estão atingindo o público em geral (um exemplo é música latina, que apesar da proximidade geográfica só agora chegou com força no mercado”, explica.

O Selo Sesc também integra a delegação brasileira participante do evento e, segundo o coordenador Wagner Palazzi, a fase é excelente para a música brasileira, com cada vez mais turnês de artistas e conectividade de pessoas pelo mundo com músicas de diferentes países. “Não tenho dúvidas de que o ponto forte do Brasil é a diversidade, afinal, o país é muito grande, então cada região tem suas particularidades e isso gera uma pluralidade de estilos e gêneros musicais, interessantes para o resto do mundo também. Além disso, a organização e planejamento de carreiras de artistas é um ponto que tem melhorado significativamente, tenho visto nos eventos da BMA, que eu participo bastante desde 2012. A única barreira em relação aos outros países é a língua, visto que há toda a América Latina a ser trabalhada e o português é limitado do ponto de vista de mercado.”

As empresas brasileiras que estarão presentes no evento são: Agência Milk, Belic Arte.Cultura Brazil, Cada Instante Produtora e Gravadora, Casa de Abelha Cultural, CLAV Music Business Intelligence, Dubas Música, Favela Sounds – Slums’ Culture International Festival, GRV Music Media e Entertainment, HeadSail Music, Iduna Produções, IMúsica, Irmãos Vitale, Joe Silhueta, Rodrigo Bezerra, Sema Pensa e Faz, Selo Sesc, Souto Correa, Spottlight / Musics Net, Tropical Connexion – Diferente Arte, Unlimited Music Producoes Artísticas e Edições Musicais e Villa-Lobos Produções.

SOBRE O MIDEM

Criado em 1967, o evento é o principal mercado internacional da comunidade musical. Um ponto de encontro entre profissionais do mercado fonográfico, serviços e tecnologia para a realização de negócios na área da música gravada ou original, direitos autorais, marcas, agências de comunicação e outros serviços.


SOBRE O BME

O Brasil Music Exchange (BME) é um projeto de auxílio à exportação de música desenvolvido desde 2002 por meio de uma parceria entre a Brasil, Música & Artes (BM&A) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Para essa finalidade, o BME realiza diversas atividades de promoção de negócios e imagem internacional.