Jazzahead gera USD 390 mil em negócios para 26 empresas participantes do BME

Em sua 13ª edição, a Jazzahead, uma das maiores feiras de negócios de jazz no mundo, realizada na cidade alemã de Bremen, de 25 a 28 de abril, gerou USD390 mil de prospecção de negócios e mais de 271 contatos relevantes, de países como Alemanha, França, Holanda, Itália, Inglaterra, Suécia, Índia e Rússia, para 26 empresas brasileiras. A presença nacional foi comandada pelo Brasil Music Exchange (BME), projeto de internacionalização de música brasileira realizado por meio de parceria entre a Brasil, Música & Artes (BM&A) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

A agenda organizada pelo projeto incluiu, além do estande brasileiro, rodadas de negócios e happy hours. Em parceria com a cantora de jazz Dani Gurgel, da empresa Da Pá Virada, o projeto também organizou um debate no dia 26 de abril. Com o tema “Modern Jazz World Collective”, contou com a presença de artistas de várias partes do mundo.

Houve ainda apresentação da banda brasileira Ludere, dentro da programação oficial do evento, no dia 27 de abril, no palco Overseas Night. Philippe Baden Powell, pianista do grupo, comenta sobre a participação: “essa apresentação foi muito importante para nós porque é nesse salão que se encontram todos os programadores, selos de jazz, editores, enfim profissionais que consomem essa música, e poder representar a música brasileira fora do Brasil é uma coisa muito importante”.

Para Esdras Nogueira, da empresa Sema Pensa e Faz, que participa da feira pelo terceiro ano consecutivo, manter a presença constante faz a diferença na obtenção de resultados. “No segundo ano, já consegui montar uma turnê. Depois disso, a gente fechou com um booker, e agora com um selo. É tudo resultado da continuidade, de conhecer as pessoas. Uma missão que é importante não só pela feira em si, mas por conta de tudo o que envolve o show de um artista brasileiro fora do Brasil. Ano que vem estamos de volta”, assegura.

Entre os profissionais que estiveram pela primeira vez no evento, está Juliana da Silva, da empresa que leva o seu nome. Ela destaca que a presença só foi possível por conta do apoio do BME. “Minha estreia como novata na Jazzahead não poderia ter sido melhor: por um lado, uma feira com tantos contatos interessantes e, por outro lado, o estande do BME me trouxe um apoio muito forte, competente e simpático do seu time. Tenho certeza de que bons frutos virão”, finaliza.


SOBRE O BME

O Brasil Music Exchange (BME) é um projeto de auxílio à exportação de música desenvolvido desde 2002 por meio de uma parceria entre a Brasil Música & Artes (BM&A) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Para essa finalidade, o BME realiza diversas atividades de promoção de negócios e imagem internacional.