NOTÍCIA


WOMEX 2012, Thessaloniki, Grécia. 17-22 Outubro 2012

30/11/2012

A 18ª edição do Womex ocorreu de 17-22 outubro, em Salónica, Grécia. Com 2.200 participantes e 1.200 empresas de 90 países, a feira segue sendo considarada comoum dos principais eventos para quem busca construir uma rede internacional de contatos para o seu artista ou projeto. Com o apoio da APEX, o Brasil Music Exchange compareceu ao estande do Brasil, que acolheu 28 empresas de todo o país, incluindo gestores, produtores, gravadoras e artistas, assim como organizações institucionais como o Sebrae/RJ e órgãos do governo, tais como SECULT BA, a Secretaria de Cultura da Bahia.

O Sebrae/RJ, que apoia o desenvolvimento de pequenas empresas do Rio de Janeiro, participou com 12 representantes, os quais relataram que o evento foi uma experiência positiva e produtiva para os seus negócios.

Em preparação para a Womex, CMJ e outras futuras feiras, a SECULT BA produziu um guia dedicado à indústria da música baiana – Guia MobiArt – um aplicativo e um portal online muito úteis, de mapeamento da cena musical local e da infra-estrutura da indústria criativa. Enquanto CDs, bolsas e camisetas são sempre populares como itens promocionais para os principais contatos, esse tipo de recurso digital, que pode ser atualizado continuamente e comercializado, é uma adição (virtual) muito bem-vinda. Talvez seja também um bom modelo para um guia on-line para a indústria da música brasileira como um todo, já que para muitas pessoas de fora a imensa variedade e natureza dos negócios relacionados a música no Brasil podem ser difíceis de acessar.

O estado de Minas Gerais estava a todo vapor, liderado pelo coletivo Fórum da Música de Minas, uma outra forma útil de acesso a cena da música independente de um estado inteiro. Com showcases programados para o palco OffWomex, Minas Gerais apresentou três artistas: Thiago Delegado, Makely Ka e Graveola e o Lixo Polifónico. Graveola recentemente assinou contrato com o selo londrino Mais Um Discos e aproveitou a viagem ao Womex para tocar em mais cinco lugares, constituindo assim uma pequena turnê pela Europa.

Ricardo Herz Trio (representado por Scubidu) se apresentou pelo programação oficial do Womex, os únicos brasileiros selecionados este ano. O IMZ, que apresenta filmes sobre World Music na Womex, selecionou “Mawaca – Songs of the Forest” – como parte dos 17 filmes de sua programação oficial em 2012.

Os showcases da Womex (foram 61 apresentações este ano) dão a artistas internacionais a oportunidade de serem eles mesmos.Artistas tocam para um público formado por representantes dos meios de comunicação e profissionais da indústria com décadas de experiência em todos os gêneros, uma abertura que reflete um público global, com um entusiasmo crescente para ouvir música de todo o mundo. Ninguém em um júri Womex jamais exigiu que os artistas “cantassem em Inglês” (como uma outra feira costumava fazer). Esse tipo de atitude, de mente fechada, não existe na Womex, este é um evento que celebra a diferença e a excelência e, acima de tudo, a excelente diferença. A variedade aqui é impressionante e esmagadora, o que conta é a qualidade e não a categoria. Música brasileira, em toda sua diversidade, tem um lugar natural aqui.

Marie Ofinger da EMA Produções (representando entre outros Tiganá e Soraia Drummond) comentou “a aceitação dos participantes, o fácil acesso. Eles estavam interessados em ouvir a descrição dos meus artistas. Além disso, existe uma sensação de que somos todos parte de um interesse global, de World Music com raízes e identidade dentro de uma visão contemporânea “. Tiganá fechou recentmente um contrato com o selo sueco Ajabu.

Aline Yasmin do Instituto Quorum, que está a caminho de boas parcerias para 2013, na Itália e em Portugal para o projeto Espírito Mundo, acrescenta: “O Womex é um evento onde você pode conhecer profissionais que estão realmente interessados em fazer negócios”. Ela também destaca a importância do networking com colegas brasileiros – formalizar uma abordagem coletiva para atividades internacionais traria benefício para muitos no mundo da música brasileira.

Uma nova tendência-chave, como foi observado por Geraldinho Magalhães da produção da empresa carioca Diversão e Arte, é que as pessoas estão mudando seu olhar em relação ao mercado brasileiro, encarando o país como um lugar de oportunidades. O boom econômico no Brasil apresenta forte contraste com a recessão da Europa (e com a Grécia como pano de fundo para a Womex deste ano, este fato nunca esteve longe dos pensamentos de ninguém). Com este crescente interesse na possibilidade de novas oportunidades de negócios em torno da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016, o diálogo entre empresas brasileiras e internacionais está tomando novos rumos para o intercâmbio criativo e comercial.

Geraldinho Magalhães: “Isto pode ser muito positivo se for bem gerido. Artistas de fora que trazem qualidade e inovação, e os promotores e agentes de fora que são talentosos e experientes, podem contribuir com seu conhecimento para o nosso mercado interno, uma vez que se acelera. “

Olhando à frente, veteranos da Womex Paulo André Pires e Melina Hickson concentraram seus esforçoes gerando networking para o próximo PortoMusical, evento que acontece em Recife, Pernambuco (30 janeiro – 2 fevereiro 2013). Um fórum internacional vibrante para continuar conversas iniciadas no Womex e começar novas, antecipando o Womex 2013, em Cardiff, Reino Unido.

Jody Gillett. Brasil Music Exchange, em Londres.