Palestras do segundo dia do BMS tratam sobre o poder dos artistas junto às marcas

O segundo dia da Brasil Music Summit: Sync & Music Branding – evento promovido pelo Brasil Music Exchange (BME), projeto de exportação de música brasileira realizado pela Brasil, Música & Artes (BM&A) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) – trouxe pontos de vista interessantes sobre o poder cada vez maior que os artistas adquirem junto às marcas e ao mercado publicitário. Três palestrantes que se aprofundaram neste debate foram Ricardo Rodrigues, da Let’s GIG, Yassine Saidi, da Puma Global, e Evandro Fióti, do Laboratório Fantasma.


Ricardo, que palestrou sobre “o que é aceitável na relação entre a marca e o artista?”, comentou que “a primeira coisa a se pensar na relação com marcas é no planejamento estratégico da carreira do artista, buscando, assim, empresas que tenham a ver com os objetivos traçados”. Ele assegurou que esse pensamento é parte do sucesso de Liniker & Os Caramelows, banda agenciada pela Let’s GIG. 


Em sua apresentação, Fióti, que está à frente das carreiras dos rappers Emicida e Rael, mostrou um posicionamento parecido  e disse ser essencial haver uma sinergia entre a essência das marcas com os artistas. Esse é inclusive um dos pilares a que atribui o sucesso do Laboratório Fantasma. “Jamais trabalhamos com produtos com os quais não nos identificamos plenamente”, assegurou.


A música no centro


Yassine Saidi
, que veio ao Brasil especialmente para o evento, tratou sobre o trabalho da Puma no segmento de music branding. Ele detalhou a trajetória da relação entre moda e música e explicou que vê os cantores(as) no centro da estratégia de qualquer marca de sucesso. “Os artistas do rap refizeram e reeditaram a moda”, comentou. Segundo ele, essa se tornou uma tendência irreversível que deve ir mais longe: “no futuro, os artistas estarão à frente de suas próprias marcas. Isso já está acontecendo”.


E completou explicando a estratégia da marca: “não pagamos mais anúncios em revistas, investimos na música, pois é o meio cultural mais poderoso do mundo e usamos as redes sociais para alavancar o alcance. Esses projetos estão dando um retorno muito positivo”, disse, destacando especialmente a parceria com a cantora Rihanna.


Fióti
, que também tem uma relação forte com moda, apresentou o case de sucesso da participação da marca de roupas Lab na São Paulo Fashion Week. O profissional também acredita que esse é um momento de muitas oportunidades para quem trabalha com música. “O mercado está mudando de forma favorável”, finalizou.


Sobre o BME

O Brasil Music Exchange (BME) é um projeto de auxílio à exportação de música desenvolvido desde 2002 por meio de uma parceria entre a Brasil Música & Artes (BM&A) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Para essa finalidade, o BME realiza diversas atividades de promoção de negócios e imagem internacional.

Confira algumas fotos das palestras: